segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

A Voz do Silêncio

Com este trabalho encerramos o Ciclo denominadoViolência sobre o ser humano” que temos vindo a desenvolver: agradecemos a todos os que connosco quiseram colaborar.


Os olhos desmedidamente abertos, um esgar de pavor, enrolada sobre si mesma, os pés quase tocando a boca e o olhar perdido do rafeiro acossado pelo bater da porta, ou por um passo forte que se adivinha e se ausenta.
Corria sentada...
Corria sentada, revirando a cabeça de um lado para o outro, à procura de alguma coisa, ou de alguém, ou de nada, ou com medo de ser notada, de ser encontrada, de ser achada.
Permanecia imóvel na soleira da porta, encostada à parede como se quisesse fugir para dentro dela e um turbilhão de medos acossava-a. O medo, sempre! Sem saber o que fazer, sem saber para onde ir ou onde ficar. O medo tornara-se um amigo presente, uma ideia de fugir e uma vontade de ficar, um querer esconder-se, um desejo de se dissolver numa nebulosa onde pudesse recomeçar: de novo!
Receava que a vissem, que não a vissem, que fosse notada, que ninguém a encontrasse no vão daquela escada, que alguém subisse ou que descesse… Receava viver e tinha medo de ter de morrer!
Se o sol aparecesse… não, melhor é o escuro da noite, quando as sombras vagueiam e os rostos se calam. E pedir ajuda estava fora de questão: a vergonha de dar a conhecer a cara magoada, as nódoas negras, o sangue escorrendo daquela ferida no peito, o cabelo desgrenhado, aquele pedaço que lhe fora arrancado…
Sabe-se impotente, acusa-se de tudo por que passam os seus filhos, julga-se responsável
E aquele silêncio...
pelo sofrimento deles. Inunda-a uma dor imensa, sem medida nem peso, sente que perdeu completamente a capacidade de reagir, de falar, de gritar, de se revoltar contra a vida em que se enredou e se envolveu nela, como um casulo se envolve na sua teia. E aquele silêncio que se impõe a si mesma e a impede de abrir a boca e gritar!
Os amigos, que sempre a avisaram, as crianças que continuavam lá em cima e que, indefesas, nem sabem o que fazer, a ansiedade de as ver, de as abraçar, de lhes sorrir mesmo na tristeza do seu olhar. O melhor mesmo era subir as escadas e voltar para aquela casa: talvez ele já estivesse a dormir, talvez se lhe desse um beijo, talvez se lhe fizesse aquela comida especial, talvez…


Há sempre um talvez que a impede de dizer basta! Há sempre um talvez que a cala perante uma bofetada, um safanão, um grito incontido, uma criança que escuta, um soluço que a sufoca, um filho que espreita.
Tinha de voltar para casa
Tinha de voltar para casa: sabe-se lá o que ele faria se não encontrasse o jantar feito ou se os miúdos ainda estivessem acordados. Bem lhe bastava ter de o ouvir por um motivo nunca justificado – as meias fora da gaveta, a gaveta aberta, o relógio no chão, o frigorífico vazio, a cadeira fora do seu lugar, as revistas em cima da cadeira, a cadeira atirada ao chão e sempre, sempre a violência numa presença constante que não deixa lugar a uma justificação, a uma palavra, a uma desculpa – mesmo que não haja lugar a justificações porque nada se deve justificar.
Uma relação que esfria, um beijo que se esconde, os olhos sempre discretos que não podem – não devem – olhar para lado nenhum, nem mesmo para dentro de si ou dos outros. Nada pode suportar uma violência silenciosa que se acomoda, permanece, perdura e se instala.
Tropeçou num degrau, numa cadeira, num homem: sentiu-se a ser atirada de um lado para o outro, a ser violentamente abanada, percebeu que havia chegado ao fim. E depois só ficou o silêncio, um silêncio pesado que doía de tanto doer.
Alguns dias depois, encontraram-na: eram cinquenta e quatro, as fendas que aquele corpo suportara! Ninguém conseguiu, porém, perceber o porquê daquele sorriso sereno, que se desenhava no rosto, numa imagem que correu mundo e espantou gentes: era apenas a voz do silêncio a gritar bem alto o silêncio da vida.


Albertina Vaz ©2014,Aveiro,Portugal

8 comentários:

  1. Fantástico o texto. Real, incompreensivelmente real para este século e para a tão afamada evolução intelectual do ser humano. Alguma coisa está a falhar, a ser esquecida...
    Foi um tema muito interessante e sentido por todos os que aqui partilharam uma imagem do que o mundo escondido da violência provoca. Terminou brilhantemente. Obrigada, Albertina.

    ResponderEliminar
  2. era apenas a voz do silêncio a gritar bem alto o silêncio da vida." Foi a própria dor, já incapaz de se conter no silêncio imposto pela voz, que falou, gritou através dos golpes profundos desenhados no rosto, através dos estilhaços daquele ser despedaçado. A dor extrema que este texto nos faz sentir. Brilhante, Albertina!

    ResponderEliminar
  3. Com a ofensa surge a dúvida, o receio da morte do sentimento, a hesitação, a perturbação do medo de querer e já não acreditar, o contorcionismo da vontade em voltar a perdoar e voltar a esperar pelo ajustamento mas não haver fé, o medo de errar... (Belo balancear entre o sim e o não, o ser e o não ser...)

    ResponderEliminar
  4. "A Voz do Silêncio" espelha-te, mostra-te, exibe muito de ti e quando isto acontece ficas na tua praia. Os problemas humanos e sociais brotam com imensa sensibilidade dos teus neurónios para a intensidade com que os dedos teclam as palavras e eis a violência, tão horrenda retratada numa escrita tão bela!

    ResponderEliminar
  5. Nesta forma de escrita, até chega a ser bela a forma como o silêncio tortura com o ferrão da dúvida. Lê-se outra vez para verificar se não haveria uma fenda por onde escorresse a voz da libertação. Não! A tortura é sempre perfeita e silenciosa!

    ResponderEliminar
  6. O sorriso sereno, depois de tanto sofrimento, era o rosto de quem tinha deixado de sofrer. Quantos casos como este por esse mundo fora. Lindo texto, Albertina, embora carregado de tristeza.

    ResponderEliminar
  7. Magnifico texto para encerramento deste ciclo. Todo ele carregado de sofrimento mas de uma beleza extrema. É uma delicia ler os teus textos. Uma vez mais, obrigada Albertina.

    ResponderEliminar
  8. adore o tema, mais sempre esquecemos que há uma brutalidade que não dá golpes, não deita cadeiras abaixo, é silenciosa, é agresão sicologica, fica marcada na mente e nunca mais sae. Continua com teo evoluir, faz muita falta, beijo

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...